sábado, 16 de maio de 2015

Senzala


O vento chocalha o plástico negro
Que cobre a varanda do quintal
da forte chuva da madrugada;
O farfalhar ouvido do quarto
traz a lembrança
a saia da sinhá;
e as chicotadas na senzala!
Casarões aquecidos no alto...
Escravos sofrendo do lado de fora!

Uivo


Um uivo corta a noite silenciosa;
 Outros cães respondem prontamente!
O vento leva e trás recados
aos ouvidos sensíveis dos cães.
Talvez juras de amor;
ou reclamações de maus tratos!
Cada um sabe sua dor,
 Ou o cuidado que recebe!

domingo, 7 de setembro de 2014

Volu - bil - Idade


Hoje eu acordei assim...
Assaz...
Fugaz...
Mesclando letras...
Confundindo estrofes
Salpicando rimas...
Poetizando
Sem politizar...
Embaralhando
Idéias...
Pensamentos...
Ânimos !
Sentidos
Menos apurados...
Menos...
Menos poeta,
Menos mulher,
Menos criança,
Menos ser...
Menos...
Hoje eu acordei assim...
Assaz...
Fugaz...
Trinta e oito graus...
Trinta e oito anos...
De outrora
Querendo perdurar...
Congelar...
Gelar...
O corpo suado
Lânguido... 
Desliza... 
Na rede
Sofá
Cama
Na mesa
Entre eira e beiras
Não tendo onde repousar
Hoje eu acordei assim...
Assaz...
Incapaz...
Querendo saciar amores...
Antes da morte se anunciar...
Sedenta...
De beijos molhados...
Carinhos selvagens...
Salvação ...
Mundo real...
Hoje eu acordei assim...
Assaz...
Audaz...
A mente querendo...
O corpo cedendo...
Inerte no ar...
No ar???
Hoje acordei...
Será que acordei mesmo???
Ou a alma se foi...
E o corpo belaz...
Repousa agora...
Sem vida no chão???

Marisa Gonçalves de Almeida Santos Direitos@ Reservados

quinta-feira, 17 de janeiro de 2013


Ada cala alada...na lada


É na calada da noite...
Quando cães viram lobo
É na calada da noite...
Quando o gato escala ao topo
È na calada da noite...
Quando o trem apita longe
É na calada da noite...
Quando homens gemem ao leito
É na calada da noite...
Quando o silêncio é barulhento
É na calada da noite...
Quando prantos arrebentam
Quando a solidão arromba o peito
É na calada da noite...
Quando ébrios tombam em becos
É na calada da noite...
Quando paixões ardem em chamas
É na calada da noite...
Quando maquinam guerras e assombros
É na calada da noite...
Quando o cruel invade corpos
É na calada da noite...
Quando o pó entorpece mentes
É na calada da noite...
Que Ada se cala...
Alada
Não ladra
Calada
Consente na lada
E some...



Bravo!


Hei de espalhar meus versos
E prosas...
Como pétalas ao vento
Dobrões a tilintar
Enlaçar-me ao véu do tempo
Ensaiar passos alados,
Coordenados,
Determinados,
Performáticos,
E de pura profusão!
Desafiar a lei da gravidade,
Lançar-me sem medo ao léu,
Executar um Temps Levé no céu.
Sentir a carícia da brisa,
Êxtase a transbordar!
Inebriar os sentidos,
Nas areias finas do mar!
Dançar sem sentir o chão,
Sofrer sem sentir paixão,
Amar sem o par perfeito,
E Bravo!!!
Bravo Somente!

Pesquise